O Telescópio James Webb pode ajudar a encontrar vida em outros planetas

james-webb-1000x450-1.jpg

James,Webb,Space,Telescope.,This,Image,Elements,Furnished,By,Nasa. Imagem: Vadim Sadovski – Shutterstock

O James Webb é o maior telescópio espacial do mundo e foi lançado com objetivo principal de observar galáxias, astros e eventos astronômicos muito distantes da Terra. Para isso, ele é equipado com uma série de instrumentos que permitem diversos tipos de análises diferentes do material observado, entre eles o Espectrógrafo Infravermelho Próximo (NIRSpec), que pode ajudar a encontrar vida em outros planetas.

Um espectrógrafo não tira fotos, e sim, divide a luz de entrada em componentes individuais do espectro de luz. Esse espectro, como uma impressão digital, reflete as propriedades absorventes de luz dos objetos captados e, portanto, sua composição química.

Cada elemento químico presente no corpo observado absorve a luz de uma certa maneira, aparecendo como uma linha distinta no espectro capturado. Ao capturar o espectro de um objeto, os pesquisadores podem determinar quais compostos químicos podem estar presentes.

James,Webb,Space,Telescope.,This,Image,Elements,Furnished,By,Nasa. Imagem: Vadim Sadovski – Shutterstock

James Webb e a busca por vida em outro planeta
Não está descartada a possibilidade de existir vida no nosso sistema solar, principalmente em locais onde pode existir água em estado líquido, como na Lua Europa, de Júpiter, mas esse não é o trabalho do James Webb. Missões para encontrar essas amostras são extremamente difíceis pois necessitam de escavação e uma série de coletas.

No entanto, o James Webb pode encontrar potenciais amostras na superfície e outros planetas fora do nosso sistema solar e o telescópio tem a possibilidade de avaliar uma infinidade desses astros usando seus equipamentos e detectar se há chance de existir vida. Já foram identificados, por exemplo, milhares de exoplanetas potencialmente habitáveis, claro que tudo isso é apenas teoria.

Será se existe vinda além da terra?

Fonte: Olhar Digital

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

scroll to top