Ministério da Defesa enviará relatório sobre eleição ao TSE em 9 de novembro.

JairBolsonaro-Militares-Soldado-QG-25ago2022-13-848x477-1.jpg

O ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira (esq.), e o presidente, Jair Bolsonaro (dir.), em cerimônia alusiva ao Dia do Soldado, em 25 de agosto.

O Ministério da Defesa anunciou nesta 2ª feira (7.nov.2022) que enviará na 4ª feira (9.nov) ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) o relatório de fiscalização produzido pelos técnicos militares sobre o processo eleitoral nos 1º e 2º turnos.

Apuramos que, no documento, os encarregados pela fiscalização apontarão inconsistências no processo eleitoral e sugestões para futuros pleitos.

Devem ainda dizer que não receberam total abertura do TSE para a implantação de mudanças práticas. O documento, porém, não deverá ser conclusivo sobre a validade do pleito deste ano.

Um dos pontos a serem explicitados pelos militares será a baixa adesão ao projeto-piloto da biometria nas urnas. O uso da biometria de eleitores no teste de integridade foi aprovado pela Corte, por unanimidade, em 13 de setembro.

O número foi considerado aquém do esperado no 1º turno: contou com 2.044 eleitores voluntários, um total de 12,9% dos eleitores que efetivamente compareceram para votar em suas respectivas seções eleitorais (15.801).

Para sanar essa baixa adesão, a Defesa solicitou ao TSE que convidasse todos os eleitores que comparecessem à seção eleitoral para participar do projeto.

Eis a nota publicada pelo ministério nesta 2ª feira (7.nov):

Nota Ministério da Defesa.

O TSE convidou as Forças Armadas, em agosto de 2021, para compor a comissão eleitoral externa de acompanhamento do trâmite das eleições de 2022.

Na semana anterior ao 2º turno, o presidente e candidato derrotado à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), disse que “as Forças Armadas não fazem auditoria” das urnas e declarou que essa não era uma atribuição da comissão de fiscalização.

Em 2021, por diversas vezes, e em mais raras vezes em 2022, Bolsonaro defendeu a adoção do voto impresso, mas a proposta foi rejeitada na Câmara dos Deputados. Em novembro de 2021, o presidente declarou que a participação.

 

Fonte:  Poder 360.
Foto: Reprodução Poder 360.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

scroll to top